Histórico
 
 

1. Criação e implantação:

Criada em 1994 pelo Instituto Camões, em convênio com a PUC-Rio, a Cátedra Padre António Vieira de Estudos Portugueses constitui um espaço interdisciplinar de estudos, pesquisas e produção de conhecimento na área da literatura portuguesa, ampliando o alcance de seu campo de trabalho para outras literaturas de língua portuguesa. Através de diferentes atividades, tem fomentado a interlocução acadêmica com pesquisadores do Brasil e de Portugal.
A Cátedra recebe apoio das principais agências de fomento brasileiras (FAPERJ, CNPq e CAPES) e de instituições portuguesas como a Fundação Calouste Gulbenkian.

Em estreita articulação com o Programa de Pós-Graduação em Letras da PUC-Rio, a Cátedra implementa as seguintes linhas de trabalho:

a) atuação junto aos cursos de Graduação e Pós-Graduação (Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado), formando professores universitários e pesquisadores em Literatura Portuguesa;

b) desenvolvimento de Linhas de Pesquisa, cujos projetos reúnem pesquisadores seniores , recém-doutores e pós-graduandos;

c) divulgação sistemática de resultados de pesquisas, através da promoção de seminários internacionais, colóquios e fóruns com temas aglutinadores de diferentes áreas do saber;

d) edição de periódicos e livros, iniciada com a publicação da Revista Semear ( Qualis A – Capes) em 1997.

2. Ampliação: frentes de trabalho a partir do ano 2000:

Depois do período inicial de implantação, com o aval da assinatura de novo Protocolo com o Instituto Camões, a Cátedra expandiu o alcance de suas linhas de atuação, através de:

a) organização de eventos científicos nacionais e internacionais;

b) parcerias com Instituições universitárias nacionais e estrangeiras,

que, desde então, possibilitam a construção de uma rede de pesquisadores, para a realização de projetos específicos da área. Nos últimos anos, a Cátedra realizou projetos com os seguintes pesquisadores:

- Professora Margarida Vieira Mendes, da Universidade de Lisboa;

- Professora Helena Buescu, da Universidade de Lisboa;

- Professora Isabel Pires de Lima, da Universidade do Porto;

- Professor Pedro Eiras, da Universidade do Porto;

- Professor Fernando Rosas, da Universidade Nova de Lisboa;

- Professora Maria Fernanda de Abreu, da Universidade Nova de Lisboa;

- Professor António Pedro Pitta, da Universidade de Coimbra;

- Professora Eneida Leal Cunha, da Universidade Federal da Bahia (UFBA);

- Professor Jorge Fernandes da Silveira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

c) criação de homepage que amplia o acesso à produção científica da Cátedra.

3. Os Dez Anos da Cátedra e os novos projetos:

Completados dez anos de atividades contínuas, em 2004, a Cátedra apontou para novas iniciativas:

a) formação de grupo de pesquisa interinstitucional, como o que analisa “As Representações do Intelectual”, cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq, integrando pesquisadores da PUC-Rio, da UNIRIO, da UFBA e da UNESP – Assis;

b) ampliação da base de pesquisadores de Iniciação científica, cujas atividades são desenvolvidas de forma integrada a projetos de pesquisa da Cátedra;

c) co-edições de livros com a Editora da UFMG, na Coleção Humanitas , que teve início com o título O papel do intelectual hoje , seguindo-se Literatura, Política, Cultura, e Espécies de espaços (no prelo), o rganizados pelos Professores Izabel Margato e Renato Cordeiro Gomes;

d) novo projeto editorial da Revista Semear que, a partir do número 11, está destinada a publicar trabalhos derivados de linhas de pesquisa da Cátedra e trabalhos de especialistas convidados;

e) realização do Fórum de Pesquisas da Cátedra, aberto para promover o intercâmbio entre alunos de pós-graduação da PUC-Rio e de outras Instituições. Em 2005, o I Fórum abordou o tema “Fotogramas: leituras do tempo no império do efêmero”. Em maio de 2007, as comunicações versaram sobre “Literatura e Violência: o lugar da memória traumática”;

f) publicação de uma nova revista, Gândara , editada por pesquisadores da Cátedra e dedicada a promover novas articulações entre as literaturas portuguesa e brasileira. O primeiro número da revista foi publicado em 2005, com textos que focalizaram questões associadas ao papel do intelectual na contemporaneidade. O segundo número da revista, em 2007, reúne textos apresentados no Fórum de 2007.

4 - A Pesquisa na Cátedra

Os estudos desenvolvidos na Cátedra Padre António Vieira de Estudos Portugueses estruturam-se em Projetos que se vinculam às seguintes Linhas de Pesquisa:

•  Cânones e Margens na Literatura Brasileira e Portuguesa;

•  Tradição e Ruptura nas Literaturas Portuguesa e Brasileira;

•  Aspectos da língua portuguesa nas várias fases da sua história;

•  O Papel do Intelectual nas Sociedades Moderna e Pós-Moderna;

•  Literatura e Experiência Urbana.

 

1. Linha de Pesquisa CÂNONES E MARGENS NAS LITERATURAS BRASILEIRA E PORTUGUESA

Descrição : A Linha de Pesquisa Cânones e Margens nas Literaturas Brasileira e Portuguesa reúne pesquisadores que se dedicam a investigar estratégias e políticas de inclusão e exclusão de obras, para analisar a constituição das literaturas brasileira e portuguesa, o que implica verificar a institucionalização do fenômeno literário, segundo os princípios de normatividade e legitimação e, por conseqüência, da credibilidade. Tais aspectos relacionam-se aos modos da tradição e sua transmissibilidade a cargo das instituições. Esses fenômenos demonstram uma distribuição hierárquica dos sujeitos e dos discursos, excluindo outros sujeitos e discursos por um processo hegemônico. A questão do cânone, portanto, estabelece uma forma que traz um sentido de separação e exclusão, pautando-se pelo “universal” enquanto juízo crítico.

Projetos de Pesquisa vinculados:

a) Imagens de nação no discurso cultural brasileiro

O Projeto propõe-se a promover o questionamento do nacional e das imagens de nação construídas pela literatura canônica, tomando nação como comunidade imaginada, e a literatura nacional como espaço atravessado e não mais definida em forma de fronteira.

Renato Cordeiro Gomes (Pesquisador responsável)

•  Entre palcos e mares: o teatro em Portugal e no Brasil, fluxos e simultaneidades.

O Projeto tem por objetivo estudar relações entre o teatro português e o teatro brasileiro, concentrando-se em analisar similitudes e diferenças entre obras – textos e encenações - que, incluídas ou não no cânone da dramaturgia moderna, foram produzidas em épocas determinantes da história política e cultural dos dois países ou que, mesmo em contextos históricos diferenciados, podem ser reunidas em linhagens de gêneros dramáticos e de processos cênico-dramatúrgicos. Em sua primeira etapa, o Projeto dedicou-se à análise comparativa de textos do escritor José Cardoso Pires e do autor Oduvaldo Vianna Filho. Na fase atual, a pesquisa dedica-se ao estudo de grupos teatrais brasileiros e portugueses, cujo repertório inclui dramaturgias que se apropriam de textos literários.

Maria Helena Werneck (Pesquisadora responsável)

2. Linha de Pesquisa TRADIÇÃO E RUPTURA NAS LITERATURAS PORTUGUESA e BRASILEIRA

Descrição: A Linha de Pesquisa Tradição e Ruptura na Literatura Portuguesa dedica-se a analisar formas de representação definidoras e identificadoras da tradição nas literaturas portuguesa e brasileira, além de se deter no estudo de momentos de ruptura desencadeadores do confronto entre antigos e modernos. Investiga-se em projetos específicos a permanência e a inovação de temas e formas em constante diálogo, responsáveis pela transformação do universo instituído e a implantação de novos parâmetros, no contexto de tradição da ruptura, vanguarda e originalidade.

Projetos de Pesquisa vinculados:

a) Literatura, política e cultura: as relações entre Portugal, Brasil e África

O Projeto dedica-se à investigação das relações entre Portugal, Brasil e África, destacando o papel da tradição, ou a ruptura com ela, na construção de marcas culturais identitárias. Adotando uma visada crítica comparatista, busca-se formular um quadro teórico que possibilite gerar novas leituras da produção cultural portuguesa, africana de língua oficial portuguesa e brasileira, estabelecendo o diálogo entre presente/passado, história colonial/vivência pós-colonial, nacionalidade/transnacionalidade.

A pesquisa empírica recai sobre a produção literária, ensaística e iconográfica portuguesa, brasileira e africana dos últimos cinqüenta anos, buscando focalizar mais de perto as configurações e reconfigurações de marcas culturais.

Alexandre Montaury (Pesquisador responsável)

b) Realismo, Realismos: matrizes e transformações

Partindo do universo mais amplo do que se convencionou chamar de “Literatura Realista”, este projeto tem como objeto principal a análise de obras de Literatura Portuguesa que equacionaram, ou reescreveram, a exigência da arte literária centrar o seu interesse no estudo da sociedade. Marcado por segmentos distintos, este projeto tem como objetivo mais amplo o desenvolvimento de uma pesquisa voltada para a sistematização do conceito de Realismo como expressão artística, a partir dos textos de fundação do Realismo oitocentista; dos desdobramentos e reelaborações do Realismo em textos do Neo-Realismo Português e, finalmente, do progressivo distanciamento dos atributos iniciais desse conceito, seguido de novas reconfigurações na literatura portuguesa de feição realista, operadas em textos da segunda metade do século XX.

Izabel Margato (pesquisador responsável)

3. Linha de Pesquisa: ASPECTOS DA LÍNGUA PORTUGUESA NAS VÁRIAS FASES DA SUA HISTÓRIA

Descrição: Esta linha de pesquisa leva em conta que as diversas fases da história da língua portuguesa apresentam algumas características marcantes que as distinguem uma das outras. Desde suas mais antigas manifestações escritas, observa-se a concorrência de formas e estruturas em variação, o que pode resultar em mudança, implicando o desaparecimento de itens que se arcaízam ou um processo de gramaticalização. Pretende-se estudar aspectos morfossintáticos do português, a partir da análise de textos do século XIII a XVIII, levando-se em conta as perdas e aquisições de formas.

 

Projeto de pesquisa vinculado: Vieira e a língua portuguesa no século XVII

O Projeto considera que a maioria das mudanças lingüísticas implementaram-se do século XV até a primeira metade do XVI. No século XVII, alguns aspectos morfossintáticos revelam, seja uma etapa final de variação, seja construções que documentam o progresso ou a implementação da mudança. Tomando, como corpus de estudo, textos de Vieira, cuja obra, sobretudo as Cartas, é um campo inestimável para a pesquisa lingüística, pretende-se analisar estruturas do português que se firmaram no século XVII, mudanças em curso e processos intermediários que redundaram em inovações no campo da sintaxe e da morfologia.

Eneida Bomfim (Pesquisadora responsável)

4. Linha de pesquisa O PAPEL DO INTELECTUAL NAS SOCIEDADES MODERNA E PÓS-MODERNA

Descrição: A Linha de pesquisa “O Papel do Intelectual nas Sociedades Moderna e Pós-Moderna” reúne Projetos que analisam a figura do escritor como intelectual cuja função se situa além da perspectiva da representatividade de classe ou grupos, para se apresentar como um desarticulador de formas discursivas entranhadas na vida social, operando deslocamentos de pontos de vista e reiventando, com fins de crítica, gêneros e linguagens de efeito midiático.

Projetos de Pesquisa vinculados:

a) O Papel do Intelectual nas Sociedades Moderna e Pós-Moderna

Identificação e análise dos mecanismos de escrita que particularizam o posicionamento do escritor como cidadão e intelectual comprometido com as cenas políticas das sociedades portuguesa e africanas de língua oficial portuguesa nas últimas décadas. Estudo dos "procedimentos" de leitura/escrita com que, nas sociedades moderna e pós-moderna, o escritor põe em questão um cenário verbal que domina o cotidiano através da produção de "efeitos de realidade" e de controle social. Análise do papel do escritor como produtor de sentidos e construtor de histórias alternativas que desarticulam e rearticulam a "trama de relatos" com que se lê a história das sociedades portuguesas e africanas de língua oficial portuguesa nas últimas décadas.

Izabel Margato (Pesquisadora responsável)

Alexandre Montaury (Pesquisador)

b) Representação e testemunho na Literatura Contemporânea

Leitura e análise dos mecanismos de representação e as formas de testemunho de experiências-limite vivenciadas por intelectuais, escritores e outros artistas ao longo dos últimos cinqüenta anos. A retomada de formas, gêneros e linguagens consagrados pela tradição e reinscritos como estratégia de representação e testemunho de um processo histórico que envolve o Estado Novo português, a Revolução dos Cravos e a descolonização dos países africanos de língua oficial portuguesa. Os territórios discursivos criados por vozes que corporificam tanto vivências extremas de cerceamento de liberdade, quanto percursos de deslocamentos, migrações e reconfigurações identitárias de sociedades marcadas por regimes de exceção.

Izabel Margato (Pesquisador responsável)

Alexandre Montaury (Pesquisador)

6. Linha de pesquisa LITERATURA E EXPERIÊNCIA URBANA

Descrição: A Linha de Pesquisa Literatura e Experiência Urbana tem por objetivo estudar as formas de representação da cidade e suas relações com o universo mais amplo da cultura. Nesta perspectiva, busca-se pesquisar, numa área transdisciplinar, no campo dos Estudos Urbanos, um quadro teórico que permita ler as representações da cidade em textos poéticos, narrativos e referenciais das literaturas brasileira e portuguesa dos séculos XIX e XX, e, numa ótica comparativista, estabelecer um jogo com outras literaturas. O foco das investigações direciona-se à questão da legibilidade da cidade pós-moderna.

Projetos de Pesquisa vinculados:

a) Literatura e Experiência Urbana: Rio de Janeiro e Lisboa

O Projeto desenvolve leitura, em perspectiva comparativista, de textos das literaturas portuguesa e brasileira dos séculos XIX e XX que tematizam a questão da experiência urbana. A (i)legibilidade do Rio de Janeiro e de Lisboa dramatizados nesses textos. A escrita da Cidade e a Cidade como escrita. O imaginário da Cidade e da Cidade das Letras. As imagens de Lisboa e do Rio de Janeiro.

Izabel Margato (Pesquisadora responsável)

Renato Cordeiro Gomes (Pesquisador)

b) João do Rio: o artista, o repórter e o artifício – modernidade periférica e representações do Rio de Janeiro

O projeto dedica-se à análise da obra de João do Rio, estruturando-se em dois objetivos: a) resgatar em fontes primárias ( Gazeta de Notícias , O Paiz , Kosmos e Ilustração Brazileira) parte da obra do escritor e cronista, recuperando os títulos originais das colunas e séries em que foram publicados e b) estudar, nestes textos, as representações do Rio. O trabalho pretende contribuir para a difusão da obra de João do Rio, acompanhando o interesse que vem despertando nos últimos 20 anos, quando, depois do declínio das narrativas de ruptura, foi possível reavaliar suas relações com a modernidade brasileira. Como profissional da imprensa, J. do Rio trabalha numa simbiose de documental e ficcional, com consciência do dilema do artista na modernidade frente à sua autonomia /individualidade e ao mercado, e coloca em pauta o valor estético. Realiza as tensões entre o jornalista e o artista, que lança mão do artifício, próprio do dândi, para representar-se na sociedade e escrever "o reflexo tumultuário de transformações da vida do Rio". Por esse viés, traça seu projeto mais ousado: a formulação de uma psicologia urbana, que fecunda o imaginário carioca, à medida que enfrenta a problemática legibilidade da cidade que se modernizava sob os auspício dos donos da República.

Renato Cordeiro Gomes (Pesquisador-responsável)

c) Representações midiáticas do Rio de Janeiro no início e no final do século

O projeto tem por objetivo investigar representações sociais do Rio de Janeiro em duas viradas de século, sob o viés dos estudos da comunicação entendida como via de acesso à vida urbana. O primeiro marco temporal remete às reformas de Pereira Passos, em que o Rio de Janeiro é considerado capital da ordem e do progresso, semantizado como alegoria nacional. Interessa, assim, verificar como a mídia impressa, sobretudo as crônicas, e os primeiros filmes, produzidos no Brasil, representam a Capital Federal no processo de modernização que, condicionado pela ideologia do poder da República, produz imagens idealizadas que camuflam as contradições político-sociais do país. O segundo marco temporal refere-se à virada do século XX para o XXI, em que, frente ao questionamento das certezas da modernidade e à problemática da globalização, as representações de nação entram em crise, e já não se tem como meta construir uma imagem-síntese do país, a partir da centralidade do Rio de Janeiro. Interessa verificar como narrativas jornalísticas e cinematográficas representam o Rio como cidade partida, ainda sob a lógica da exclusão e corroído pela violência. Em síntese, a partir desta hipótese, são estudadas narrativas midiáticas em que o Rio de Janeiro é representado como palco de uma guerra de relatos, marcado pelas tensões político-sociais e pela agudização dos conflitos culturais, que alteram o imaginário urbano, já modificado pelo impacto das novas tecnologias. Busca-se investigar, nos dois recortes temporais, postos em confronto comparativo, como a mídia impressa e o cinema participam da construção de uma imagem do Rio de Janeiro, em dois momentos nos quais se torna mais patente o hibridismo cultural, fazendo da cidade uma arena do multiculturalismo, ao mesmo tempo apontando para a perda da centralidade do Estado-Nação.

Renato Cordeiro Gomes (Pesquisador-Responsável)

     
[Histórico][Autores][Revistas][Livros][Seminários][Créditos][Contato]